Angela Leite apresenta novas obras no Café Colón

quarta-feira 07 de Dezembro de 2011, por Antonio Biondi
palavras-chave: angela leite; arte; biodiversidade; cachalote; desenho; ecologia; exposição; fauna; flora; gravura; jandaia; meio ambiente; tamanduá

A artista plástica Angela Leite irá apresentar em sua exposição de fim de ano no Café Colón três novas obras, sendo um desenho e duas xilogravuras. Os mais recentes trabalhos da autora retraram, respectivamente, as jandaias-de-testa-vermelha na caviúna-do-cerrado, o cachalote e os tamanduás-de-colete.

As obras reafirmam o compromisso da arte de Angela com a divulgação e defesa do meio ambiente no Brasil e no mundo. E, ao lado desse traço, realçam o trabalho meticuloso de pesquisa, técnica e execução desenvolvido por Angela em suas obras.

No desenho Jandaias-de-testa-vermelha na Caviúna-do-Cerrado (Aratinga auricapillus e Dalbergia miscolobium) a riqueza de detalhes combina-se de forma encantadora com a técnica do lápis-de-cor.

O desenho, nas dimensões de 31 x 73 cm (VxH) “registra um momento ímpar do nosso cerrado, e tem o intuito de sensibilizar as pessoas sobre os tesouros do bioma, tão ameaçado hoje”, segundo nos conta a artista.

Já a nova xilogravura do Cachalote (Physeter macrocephalus) chega para se somar à vasta e longeva produção da artista em defesa dos cetáceos nos mares e rios do planeta. Desde 1982, Angela produziu 15 xilogravuras desse grupo de espécies, além de diversos desenhos.

“Sempre quis produzir uma xilo do cachalote, um animal lindo e incrível, que está ameaçado de extinção, assim como todas as grandes baleias, pela exploração absurda de sua caça realizada pelos homens”. A xilo, com 15 x 70 cm (VxH), representa mais um capítulo do fascínio da autora por essa espécie em específico e pelas baleias em geral, registrado inclusive em textos da artista.

Por sua vez, a xilogravura dos Tamanduás-de-colete (Tamandua tetradactyla) é uma ode à   biodiversidade do cerrado brasileiro e à necessidade de sua preservação. O simpático e ameaçado mamífero aparece na xilo em um grupo de quatro espécimes. Neste retrato do bioma, também se fazem presentes a Copaíba, o Jatobá, a Caviúna-do-Cerrado, a Eritrina Mulungu, o Baru e a Sucupira-preta, magníficas representantes de sua flora.

A xilogravura dos tamanduás-de-colete apresenta tamanho grau de detalhes que sua reprodução na internet não permite que sejam apreendidas todas as minúcias presentes na obra, cujas dimensões são de 39,5 x 49 cm (VxH). “É mais um motivo para as pessoas visitarem a exposição”, conclui Angela Leite.

A exposição no Café Colón ocorre nos dias 8, 9 e 10 de dezembro (quinta, sexta e sábado desta semana), na praça Buenos Aires, 555, casa 2. Fica aberta das 9h às 18h na quinta e sexta. E das 9h às 13h no sábado.

Comentário (0) | Comente...

Angela Leite realiza oficina de xilogravura no ‘SP Estampa’

domingo 01 de de 2011, por Antonio Biondi
palavras-chave: angela leite; animais; arte; biodiversidade; curso; desenho; ecologia; fauna; flora; meio ambiente; SP Estampa; xilogravura

A artista plástica Angela Leite realiza, de 10 a 14 de maio, o curso de xilogravura “Oficina do Jatobá”. A oficina integra a programação do SP Estampa, iniciativa capitaneada pela galeria Gravura Brasileira (www.cantogravura.com.br).

No curso oferecido por Angela Leite, os participantes desenvolverão noções de observação, sensibilidade, ilustração e produção de xilogravura, tendo como objeto o Jatobá, umas das árvores mais imponentes e importantes de nossa flora. Parte das atividades será realizada junto aos espécimes do Jatobá existentes na cidade, além de outros momentos no atelier da artista.

Natural de treze Estados do país (incluído o DF), presente em várias formações florestais, o Jatobá pode atingir 25 metros de altura e 120 cm de diâmetro. Polinizado por morcegos e beija-flores em horários díspares, atrai abelhas de mel valioso, como já indica seu nome popular: Jataíba, que significa árvore da abelha nativa Jataí.

Segundo a artista, o Jatobá “fornece seus pesados frutos para pacas, cutias e muitos macacos, além do consumo humano. A medicina popular encontra nele usos diversos. A feição, porém, que mais se destaca é a volumosa imagem a atravessar gerações, acolhendo a todos com sombra generosa”. Por outro lado, Angela se indaga: “apesar de tão vigorosa presença, quantos paulistanos passam sob sua copa espaçosa, sem ao menos admirar-lhe o garbo?”.

Conceito: Arte e Cidadania


A partir da escolha do Jatobá como tema, o curso de xilogravura pretende trabalhar, ao mesmo tempo, aspectos de Arte e Cidadania. Exemplares urbanos da árvore serão escolhidos como protagonistas, em bairros distintos. Alguns espécimes são pré-sugeridos pela artista, como o da Av. Angélica, abaixo da Rua Baronesa de Itu; o imenso indivíduo da casa da dona Iaiá (espaço ligado à Universidade de São Paulo); dois pés plantados no Instituto de Botânica da USP (na Cidade Universitária) e outras árvores que poderão ser selecionadas como modelo, em diálogo com a organizadora do curso.

Descrição do projeto

O curso conta com treze vagas, sendo formado pelas seguintes etapas:

1) Preparação individual
 
A observação minuciosa é o primeiro passo. Dimensionamento, sensações, fotos, cheiro, folhas e cascas caídas no chão são o material principal do projeto. Mais de uma visita pode ser surpreendente; em horários distintos, ainda melhor. Não veremos suas flores que fenecem até o fim de fevereiro, nem os frutos na árvore, pois só estarão maduros a partir de junho  na cidade. Pesquisa  particular a respeito da espécie será recomendada para o aprofundamento da experiência.

Um pequeno pedaço de madeira (entre 10 x 10 cm ou 20 X 20 cm) será providenciado por cada participante, com a precaução de não serem usadas espécies nativas.

Lixas de quatro espessuras deverão ser providenciadas pelos participantes (gramatura de 80, 100, 150 e 220, por exemplo), lixando-se a madeira no sentido do fio, da lixa mais grossa até a mais fina, obtendo-se uma superfície homogênea e sedosa.

Um estojo de xilogravura, disponível na Casa do Artista, entre outras lojas, deverá ser adquirido para o trabalho de cada aluno.

2) Acompanhamento da artista

Nos dias 10 e 13 de maio, três horas no período da tarde (das 14h às 17h) serão usadas para o desenvolvimento dos trabalhos, no atelier da artista. A conclusão do curso será no dia 14, sábado (das 11h às 15h), no mesmo local.

No atelier, os participantes poderão conhecer as dezenas de matrizes de obras da autora, com suas respectivas impressões, e tomá-las como material de pesquisa e apoio para seus trabalhos.

·    O dia 10 (terça-feira) terá como objetivos centrais a avaliação do projeto no papel (desenho) e o lixamento do pequeno taco; além de noções básicas da técnica de xilogravura.

·    No dia 13, sexta, o objetivo principal do encontro com a artista será a conclusão das xilos.

·    No sábado, dia 14, haverá a impressão demonstrativa de uma matriz de árvore gravada pela artista.

Conclusão

Para Angela, “a observação, envolvimento, materialização e conhecimento são a maneira mais segura de adotar uma espécie e preservá-la”. O Jatobá é considerado espécie ameaçada de extinção no Estado de São Paulo. Portanto, “seu cultivo deve ser estimulado, e sua derrubada é crime”, alerta a artista.

Angela Leite ressalta que “a presença imponente do Jatobá na capital paulista é prova estimulante de que podemos conviver com criaturas  magníficas  desafiando o caos desumano da  grande cidade e nos certificando de que além, bem além do transtorno do rush, muitos outros Jatobás dividem o espaço na paz das florestas que ainda nos aguardam”.


Mais informações

Título: "OFICINA DO JATOBÁ" – Curso de xilogravura e cidadania ambiental, integrante da programação do SP Estampa

Organização: Angela Leite (xilogravadora)

Contatos para dúvidas ou inscrições:
angelaleite.gravura@uol.com.br / (11) 8542-3042 ou 3743-7567

Local: ATELIER ANGELA LEITE (e pesquisa de campo na cidade de SP)
Rua Heitor de Souza Pinheiro, 300, Super Quadra Morumbi

Datas das atividades no atelier:
dias 10, 13 e 14 de maio de 2011

Horários:

·    Dia 10, terça-feira: das 14h às 17h
·    Dia 13, sexta-feira: das 14h às 17h
·    Dia 14, sábado: das 11h às 15h

Custo: R$ 150,00 (material não incluso, deverá ser adquirido pelo participante)

Número de participantes:
13 vagas

Público-alvo: artistas, pessoas interessadas em xilogravura, cidadãos preocupados com o meio ambiente.

Comentário (0) | Comente...

Fauna e flora brasileiras de volta ao Café Colón

terça-feira 07 de Dezembro de 2010, por Angela Leite
palavras-chave: angela leite; animais; arte; biodiversidade; desenho; ecologia; exposição; fauna; flora; gravura; meio ambiente

Olá, queridas amigas e amigos

Gostaria de vê-los em minha exposição de final de ano no Café Colón. Estarei com meus bichos e árvores, minhas gravuras, camisetas e cartões.

Em 2010, o ambiente hospitaleiro idealizado pelo amigo Toninho abre mais uma vez as portas para nosso reencontro.

Aguardam o visitante as iguarias (empadas e bolos) feitas pela mulher dele, a praça de Canelas e Jequitibás centenários que se avista da janela e o monte de flores viçosas logo ao entrar.

O endereço é Rua Alagoas, 555, casa 2, junto à Praça Buenos Aires.

Os dias são quinta-feira, 9 de dezembro; sábado, dia 11; e segunda, dia 13.

Na quinta e segunda o horário é das 11h às 19h. E sábado das 9h às 12h.

Qualquer dúvida, podem me escrever:

angelaleite.gravura@uol.com.br

Felicidades e um abraço,

Angela Leite

Comentário (1) | Comente...

Exposição na USP é prorrogada até quarta, 10

quarta-feira 03 de Junho de 2009, por Pedro
palavras-chave: arte; artes plásticas; biologia; brasil; desenho; ecologia; fauna; flora; gravura; meio ambiente; natureza; usp; xilogravura

Foi prorrogada até a quarta-feira, 10, a mostra “Trilha Natural Brasileira”. Nela, a artista plástica Angela Leite usa os elementos que caracterizam sua obra – excelência artística combinada a um rigor quase científico e a um olhar militante – para conduzir o visitante a um passeio por entre espécies de nossa fauna e nossa flora.

São 23 desenhos recentes e inéditos, a nanquim, a maioria em preto e branco. E 37 xilogravuras, representativas de suas quatro décadas de carreira (como esta ao lado – "Mocó", de 2007).

A exposição está no Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP), em evento emblemático do crescente trabalho conjunto desenvolvido pela artista e pesquisadores da área. Na segunda-feira, 8, a artista estará no local das 17 às 22 horas para conversar com os visitantes sobre seu processo de trabalho.

Nascida em 1950 no Rio de Janeiro, Angela se dedica desde 1968 à arte em estreita ligação com o meio ambiente. Participou de cerca de 200 salões e exposições nacionais e internacionais e recebeu prêmios no país e no exterior. A militância também se dá por meio de palestras, oficinas, artigos e entrevistas em defesa da fauna e da flora, em especial as brasileiras.

“Angela pesquisa intensamente sobre seus objetos de trabalho, buscando a opinião de zoólogos, botânicos e ecólogos para dar mais vida a suas obras”, comenta o professor Miguel Trefaut, do Departamento de Zoologia do IB-USP. “Torna-as, assim, flagrantes instantâneos de cenas naturais de nossa rica biodiversidade”.

Outros depoimentos e análises sobre a obra e o engajamento da artista – entre eles, de Olívio Tavares de Araújo, Ibsen de Gusmão Câmara, Álvaro Machado, Carlos Von Schmidt, Aloysio Biondi, Antonio Carlos Abdalla, Olney Krüse e Paulo Vanzolini – podem ser conferidos neste site.

"Trilha Natural Brasileira" - de 27 de maio a 10 de junho. Entrada é gratuita. Aberta das 9 à 22 horas, de segunda a sexta.

Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo - Cidade Universitária

Rua do Matão, 277, Departamento de Botânica, Edifício André Dreyfus

Informações: (11) 3091-7543

Comentário (1) | Comente...

Gravuras em destaque no Terra Magazine

quarta-feira 04 de Março de 2009, por Pedro
palavras-chave: angela leite; arte; artes plásticas; gravura; meio ambiente; naturalistas; spix; von martius; xilogravura

O trabalho de Angela Leite foi tema, recentemente, de matéria na página eletrônica Terra Magazine. No texto, o jornalista Aloisio Milani destaca a resistência ao tempo como uma linha-mestra da obra de Angela. Nas xilogravuras ela imortaliza as espécies retratadas, segundo a leitura de Milani.

Angela afirma que a ênfase na gravura em madeira não se deu por acaso: “É interessante pensar que a técnica é capaz de reproduzir em grande quantidade o número de obras. Você multiplica a imagem da espécie que está perdendo indivíduos”.

Ela também comenta a pesquisa em torno de uma lagoa descrita pelos naturalistas alemães Carl von Martius e Johann Baptiste Spix em território brasileiro. E identifica a Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente, em 1972, em Estocolmo, na Suécia, como um marco na difusão do debate sobre a preservação ambiental.

O texto pode ser lido no endereço http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI3604453-EI6581,00.html

 

 

Comentário (0) | Comente...

Fauna e flora em exposição permanente

quinta-feira 18 de Setembro de 2008, por Pedro Biondi
palavras-chave: Angela Leite; arte; baleias; ecologia; fauna e flora brasileiras; meio ambiente; preservação; site; xilogravura

Xilogravuras e desenhos presentes no site de Angela Leite traduzem quatro décadas de arte em defesa do meio ambiente

A artista plástica Angela Leite passa a ter sua obra disponível na internet. Na página www.angelaleite.com.br estão reunidas quase 200 gravuras e desenhos, frutos de quatro décadas voltadas à arte e à defesa do meio ambiente.

<!--[if !supportEmptyParas]-->No site, onças, borboletas e papagaios de todos os naipes circulam entre jequitibás, cedros e variadas palmeiras, enquanto baleias, golfinhos e tartarugas-marinhas experimentam o oceano. <!--[endif]-->

Ali também estão depoimentos e textos críticos sobre a obra e o engajamento da artista. Entre eles, de Ibsen de Gusmão Câmara, Álvaro Machado, Carlos Von Schmidt, Antonio Carlos Abdalla e Aloysio Biondi (confira alguns ao final destas páginas).

Em seus 40 anos de carreira, Angela Leite trabalhou sobretudo com a xilogravura, a gravura em madeira. Realizou também diversos desenhos com lápis de cor e com nanquim. Para ampliar o diálogo entre arte e rigor científico que marca sua obra, ela recorre a pesquisadores e à literatura especializada, além de dedicar-se à exaustiva observação dos animais em seu hábitat ou em cativeiro. As árvores passaram a fazer parte de sua obra em 1996.

“Liberado das imposições da função descritiva e documentária, o desenho de bichos pode adquirir uma nova dimensão, humana e participante”, anotou o zoólogo Paulo Vanzolini, sobre a obra da artista. “A forma despojada e íntegra, o detalhe extremamente bem dosado, a compreensão da identidade do animal, contribuem para que seja transmitido um sentido da unidade fundamental de tudo o que vive, não apenas conceitual e filosófico, mas também com limpa emoção.” O crítico Olívio Tavares de Araújo destaca “um desenho seguro” e “um corte impecável”, e conclui: “Angela consegue jogar majestosa e claramente seus bichos no espaço”.

O modo de trabalhar e a militância

“Meu ofício vira arte quando traduz claramente expressões de espécies distintas”, analisa Angela Leite. No seu dizer, a imagem ideal é o flagrante de um momento da vida de um indivíduo de uma determinada espécie, que traduz o modo de ser daquele bicho. “Quando isso acontece, o espectador é conduzido para perto do ser retratado e tem despertada a sensibilidade necessária para viver alegrias remotas. Veredas distantes dialogam, a gravura teve sucesso e eu sinto que cumpri minha missão.”

<!--[if !supportEmptyParas]-->Nascida em 1950 no Rio de Janeiro, ela se dedica desde 1968 à arte em defesa do meio ambiente. A militância também se dá por meio de palestras, oficinas, artigos e entrevistas em defesa da fauna e da flora, em especial as brasileiras. <!--[endif]-->

<!--[if !supportEmptyParas]-->Angela colaborou com textos de temática ambiental em jornais e revistas como IstoÉ, Veja, O Estado de S.Paulo, Jornal da Tarde e Shopping News. Na televisão, gravou para Repórter ECO, da TV Cultura, e Animal Planet, do Discovery Channel. <!--[endif]-->

A artista desenvolve atividades de conscientização e sensibilização às questões da natureza com escolas públicas e particulares. Realizou diversas parcerias com instituições e empresas em iniciativas conservacionistas ou de enfoque ambiental – <!--[if !supportEmptyParas]-->a exemplo da Universidade de São Paulo, Embrapa, Senac, Sesc, Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, Santista Têxtil e Artex. <!--[endif]-->

Participa e promove doações a campanhas de entidades como a União em Defesa da Natureza e a Rede Pró-Unidades de Conservação. É membro-fundador da União em Defesa das Baleias, entidade que teve participação fundamental na proibição da caça aos cetáceos nos mares brasileiros, conquistada na década de 1980.

Trajetória artística

<!--[if !supportEmptyParas]-->Presente em mais de 200 mostras e detentora de prêmios em salões e exposições, a artista exibiu seus trabalhos em mostra individual na Embaixada Brasileira em Washington, Estados Unidos, em 1991, e mereceu uma sala especial no Dronninglund Kunstcenter, na Dinamarca, em 1990. Também recebeu nove premiações no circuito nacional e o R.H.J. Hintelmann Kunstpreis de 1997, no Museu da Coleção Zoológica de Munique, Alemanha. <!--[endif]-->

Em 1992, realizou exposição individual no Rio de Janeiro, dentro da programação de eventos paralelos à ECO-92. Ao longo de sua carreira, participou de dez mostras de abordagem ecológica. Suas criações estiveram presentes em 18 individuais, quatro delas fora do Brasil: San José (Costa Rica), Assunção (Paraguai) e as já citadas. Em mais de 60 mostras coletivas estaduais, nacionais e internacionais, estas em Taipé (Taiwan), Nova Iorque (EUA) e Ourense (Espanha), além de Munique. Angela expôs ainda em 30 coletivas em galerias e ateliês.

Mais sobre o site

Ao lado das gravuras e dos desenhos, a página reúne textos da autora – reflexões e crônicas sobre os bichos e árvores desenhados, bem como artigos opinativos. As reproduções são acompanhadas de nome científico e distribuição das espécies.

O internauta também pode conhecer e encomendar camisetas e cartões que trazem trabalhos de Angela – são, respectivamente, 52 e 63 diferentes imagens.

A página foi construída por Antonio Biondi (organização) e Renato de Almeida Prado (design e organização – www.rdeap.com.br) e pela empresa Factorweb (programação – www.factorweb.com.br), com a colaboração de pesquisadores, fotógrafos, artistas, amigos e parentes.

Contato para entrevistas e mais informações

Antonio Biondi
(5511) 3743-7567 / (5511) 7488-5449
angelaleite.gravura@uol.com.br


O olhar dos críticos <!--[endif]-->

Suas centenas de obras espalhadas pelo mundo – e possíveis pela reprodução de seus múltiplos – são um constante manifesto e um alerta a milhares de pessoas que contemplam seus trabalhos, e têm avivadas suas consciências pelo produto de uma paixão pela Arte que é, assim, meio e suporte para sua batalha contínua e pacífica em defesa das bandeiras ecológicas.
Antonio Carlos Abdalla, 2006

Seus temas refletem preocupações ecológicas e suas representações de alguns animais – em especial a baleia jubarte – tornaram-se uma espécie de marca registrada na gravura brasileira, um “clássico”, assim como a vaga no instante da arrebentação na gravura japonesa, guardadas as proporções.
Álvaro Machado, 2004

Esse universo plástico, essencialmente humano e selvagem, é desvendado nessa exposição (“Seleção Natural”) delicada, rigorosa e detalhista, num trabalho de mensagem ecológica correto e de memória gráfica de primeiro nível. Uma arte que vem da alma sincera e brasileira da artista – que deve merecer apoio total do público.
Luiz Ernesto Kawall, 2004

Liberado das imposições da função descritiva e documentária, o desenho de bichos pode adquirir uma nova dimensão, humana e participante. A forma despojada e íntegra, o detalhe extremamente bem dosado, a compreensão da identidade do animal, contribuem para que seja transmitido um sentido da unidade fundamental de tudo o que vive, não apenas conceitual e filosófico, mas também com limpa emoção. É no que reflete um zoólogo contemplando os bichos de Angela Leite.
Paulo Vanzolini, 1994

É para mim particularmente grato testemunhar o fato que de que a artista plástica Angela Leite tem dedicado seus dons artísticos à defesa da natureza brasileira, divulgando em excelentes trabalhos nossos animais sob ameaça de extinção.
Ibsen Gusmão Câmara, 1993

Em seus desenhos, como na xilogravura, Angela Leite exibe uma arte na qual a obsessão é mostrar os bichos que defende não através de um viés mórbido, como vítimas de extermínio. Angela Leite prefere exaltá-los, mostrá-los como exemplos de vida bem sucedida – e, por isso mesmo, a ser preservada.
Aloysio Biondi, 1992

<!--[if !supportEmptyParas]-->

Seus animais de pelo e pena não têm (aleluia!) o rigor estático dos desenhos científicos, mas o movimento do amor e da liberdade. Ela não falseia nada. Fica fiel à realidade. Só que vai mais longe e flagra os animais no momento do amor e da alegria de viver. Não é arrivista e nem oportunista. Desenha seus (nossos) animais desde 1968, quando a palavra ECOLOGIA não existia nas bocas brasileiras.
Olney Krüse, 1988

Acredito que dos gravadores brasileiros que se dedicam à xilo, Angela Leite é a que está mais próxima da trilha percorrida por Goeldi. Suas gravuras possuem a mesma força que encontramos na do mestre. Angela Leite sabe como Goeldi, tirar da madeira, do papel, do branco e do preto, mundos de sensações inéditas.
Carlos Von Schmidt, 1984

Servida por um desenho seguro e por um corte impecável, Angela consegue jogar majestosa e claramente seus bichos no espaço. O clima do conjunto ressuscita algo da vocação e tradição narrativas da xilogravura, que desde a Idade Média serve por excelência à ilustração. E é sempre clara e direta em suas intenções.
Olívio Tavares de Araújo, 1984


Comentário (3) | Comente...

anterior próxima