Angela Leite apresenta novas obras no Café Colón

quarta-feira 07 de Dezembro de 2011, por Antonio Biondi
palavras-chave: angela leite; arte; biodiversidade; cachalote; desenho; ecologia; exposição; fauna; flora; gravura; jandaia; meio ambiente; tamanduá

A artista plástica Angela Leite irá apresentar em sua exposição de fim de ano no Café Colón três novas obras, sendo um desenho e duas xilogravuras. Os mais recentes trabalhos da autora retraram, respectivamente, as jandaias-de-testa-vermelha na caviúna-do-cerrado, o cachalote e os tamanduás-de-colete.

As obras reafirmam o compromisso da arte de Angela com a divulgação e defesa do meio ambiente no Brasil e no mundo. E, ao lado desse traço, realçam o trabalho meticuloso de pesquisa, técnica e execução desenvolvido por Angela em suas obras.

No desenho Jandaias-de-testa-vermelha na Caviúna-do-Cerrado (Aratinga auricapillus e Dalbergia miscolobium) a riqueza de detalhes combina-se de forma encantadora com a técnica do lápis-de-cor.

O desenho, nas dimensões de 31 x 73 cm (VxH) “registra um momento ímpar do nosso cerrado, e tem o intuito de sensibilizar as pessoas sobre os tesouros do bioma, tão ameaçado hoje”, segundo nos conta a artista.

Já a nova xilogravura do Cachalote (Physeter macrocephalus) chega para se somar à vasta e longeva produção da artista em defesa dos cetáceos nos mares e rios do planeta. Desde 1982, Angela produziu 15 xilogravuras desse grupo de espécies, além de diversos desenhos.

“Sempre quis produzir uma xilo do cachalote, um animal lindo e incrível, que está ameaçado de extinção, assim como todas as grandes baleias, pela exploração absurda de sua caça realizada pelos homens”. A xilo, com 15 x 70 cm (VxH), representa mais um capítulo do fascínio da autora por essa espécie em específico e pelas baleias em geral, registrado inclusive em textos da artista.

Por sua vez, a xilogravura dos Tamanduás-de-colete (Tamandua tetradactyla) é uma ode à   biodiversidade do cerrado brasileiro e à necessidade de sua preservação. O simpático e ameaçado mamífero aparece na xilo em um grupo de quatro espécimes. Neste retrato do bioma, também se fazem presentes a Copaíba, o Jatobá, a Caviúna-do-Cerrado, a Eritrina Mulungu, o Baru e a Sucupira-preta, magníficas representantes de sua flora.

A xilogravura dos tamanduás-de-colete apresenta tamanho grau de detalhes que sua reprodução na internet não permite que sejam apreendidas todas as minúcias presentes na obra, cujas dimensões são de 39,5 x 49 cm (VxH). “É mais um motivo para as pessoas visitarem a exposição”, conclui Angela Leite.

A exposição no Café Colón ocorre nos dias 8, 9 e 10 de dezembro (quinta, sexta e sábado desta semana), na praça Buenos Aires, 555, casa 2. Fica aberta das 9h às 18h na quinta e sexta. E das 9h às 13h no sábado.

Comentário (0) | Comente...

Angela Leite realiza oficina de xilogravura no ‘SP Estampa’

domingo 01 de de 2011, por Antonio Biondi
palavras-chave: angela leite; animais; arte; biodiversidade; curso; desenho; ecologia; fauna; flora; meio ambiente; SP Estampa; xilogravura

A artista plástica Angela Leite realiza, de 10 a 14 de maio, o curso de xilogravura “Oficina do Jatobá”. A oficina integra a programação do SP Estampa, iniciativa capitaneada pela galeria Gravura Brasileira (www.cantogravura.com.br).

No curso oferecido por Angela Leite, os participantes desenvolverão noções de observação, sensibilidade, ilustração e produção de xilogravura, tendo como objeto o Jatobá, umas das árvores mais imponentes e importantes de nossa flora. Parte das atividades será realizada junto aos espécimes do Jatobá existentes na cidade, além de outros momentos no atelier da artista.

Natural de treze Estados do país (incluído o DF), presente em várias formações florestais, o Jatobá pode atingir 25 metros de altura e 120 cm de diâmetro. Polinizado por morcegos e beija-flores em horários díspares, atrai abelhas de mel valioso, como já indica seu nome popular: Jataíba, que significa árvore da abelha nativa Jataí.

Segundo a artista, o Jatobá “fornece seus pesados frutos para pacas, cutias e muitos macacos, além do consumo humano. A medicina popular encontra nele usos diversos. A feição, porém, que mais se destaca é a volumosa imagem a atravessar gerações, acolhendo a todos com sombra generosa”. Por outro lado, Angela se indaga: “apesar de tão vigorosa presença, quantos paulistanos passam sob sua copa espaçosa, sem ao menos admirar-lhe o garbo?”.

Conceito: Arte e Cidadania


A partir da escolha do Jatobá como tema, o curso de xilogravura pretende trabalhar, ao mesmo tempo, aspectos de Arte e Cidadania. Exemplares urbanos da árvore serão escolhidos como protagonistas, em bairros distintos. Alguns espécimes são pré-sugeridos pela artista, como o da Av. Angélica, abaixo da Rua Baronesa de Itu; o imenso indivíduo da casa da dona Iaiá (espaço ligado à Universidade de São Paulo); dois pés plantados no Instituto de Botânica da USP (na Cidade Universitária) e outras árvores que poderão ser selecionadas como modelo, em diálogo com a organizadora do curso.

Descrição do projeto

O curso conta com treze vagas, sendo formado pelas seguintes etapas:

1) Preparação individual
 
A observação minuciosa é o primeiro passo. Dimensionamento, sensações, fotos, cheiro, folhas e cascas caídas no chão são o material principal do projeto. Mais de uma visita pode ser surpreendente; em horários distintos, ainda melhor. Não veremos suas flores que fenecem até o fim de fevereiro, nem os frutos na árvore, pois só estarão maduros a partir de junho  na cidade. Pesquisa  particular a respeito da espécie será recomendada para o aprofundamento da experiência.

Um pequeno pedaço de madeira (entre 10 x 10 cm ou 20 X 20 cm) será providenciado por cada participante, com a precaução de não serem usadas espécies nativas.

Lixas de quatro espessuras deverão ser providenciadas pelos participantes (gramatura de 80, 100, 150 e 220, por exemplo), lixando-se a madeira no sentido do fio, da lixa mais grossa até a mais fina, obtendo-se uma superfície homogênea e sedosa.

Um estojo de xilogravura, disponível na Casa do Artista, entre outras lojas, deverá ser adquirido para o trabalho de cada aluno.

2) Acompanhamento da artista

Nos dias 10 e 13 de maio, três horas no período da tarde (das 14h às 17h) serão usadas para o desenvolvimento dos trabalhos, no atelier da artista. A conclusão do curso será no dia 14, sábado (das 11h às 15h), no mesmo local.

No atelier, os participantes poderão conhecer as dezenas de matrizes de obras da autora, com suas respectivas impressões, e tomá-las como material de pesquisa e apoio para seus trabalhos.

·    O dia 10 (terça-feira) terá como objetivos centrais a avaliação do projeto no papel (desenho) e o lixamento do pequeno taco; além de noções básicas da técnica de xilogravura.

·    No dia 13, sexta, o objetivo principal do encontro com a artista será a conclusão das xilos.

·    No sábado, dia 14, haverá a impressão demonstrativa de uma matriz de árvore gravada pela artista.

Conclusão

Para Angela, “a observação, envolvimento, materialização e conhecimento são a maneira mais segura de adotar uma espécie e preservá-la”. O Jatobá é considerado espécie ameaçada de extinção no Estado de São Paulo. Portanto, “seu cultivo deve ser estimulado, e sua derrubada é crime”, alerta a artista.

Angela Leite ressalta que “a presença imponente do Jatobá na capital paulista é prova estimulante de que podemos conviver com criaturas  magníficas  desafiando o caos desumano da  grande cidade e nos certificando de que além, bem além do transtorno do rush, muitos outros Jatobás dividem o espaço na paz das florestas que ainda nos aguardam”.


Mais informações

Título: "OFICINA DO JATOBÁ" – Curso de xilogravura e cidadania ambiental, integrante da programação do SP Estampa

Organização: Angela Leite (xilogravadora)

Contatos para dúvidas ou inscrições:
angelaleite.gravura@uol.com.br / (11) 8542-3042 ou 3743-7567

Local: ATELIER ANGELA LEITE (e pesquisa de campo na cidade de SP)
Rua Heitor de Souza Pinheiro, 300, Super Quadra Morumbi

Datas das atividades no atelier:
dias 10, 13 e 14 de maio de 2011

Horários:

·    Dia 10, terça-feira: das 14h às 17h
·    Dia 13, sexta-feira: das 14h às 17h
·    Dia 14, sábado: das 11h às 15h

Custo: R$ 150,00 (material não incluso, deverá ser adquirido pelo participante)

Número de participantes:
13 vagas

Público-alvo: artistas, pessoas interessadas em xilogravura, cidadãos preocupados com o meio ambiente.

Comentário (0) | Comente...

Fauna e flora brasileiras de volta ao Café Colón

terça-feira 07 de Dezembro de 2010, por Angela Leite
palavras-chave: angela leite; animais; arte; biodiversidade; desenho; ecologia; exposição; fauna; flora; gravura; meio ambiente

Olá, queridas amigas e amigos

Gostaria de vê-los em minha exposição de final de ano no Café Colón. Estarei com meus bichos e árvores, minhas gravuras, camisetas e cartões.

Em 2010, o ambiente hospitaleiro idealizado pelo amigo Toninho abre mais uma vez as portas para nosso reencontro.

Aguardam o visitante as iguarias (empadas e bolos) feitas pela mulher dele, a praça de Canelas e Jequitibás centenários que se avista da janela e o monte de flores viçosas logo ao entrar.

O endereço é Rua Alagoas, 555, casa 2, junto à Praça Buenos Aires.

Os dias são quinta-feira, 9 de dezembro; sábado, dia 11; e segunda, dia 13.

Na quinta e segunda o horário é das 11h às 19h. E sábado das 9h às 12h.

Qualquer dúvida, podem me escrever:

angelaleite.gravura@uol.com.br

Felicidades e um abraço,

Angela Leite

Comentário (1) | Comente...

anterior próxima